18/05/2020

Resenha: O Homem de Giz, de C. J. Tudor

Título: O Homem de Giz
Título original: The Chalck Man
Autor(a): C. J. Tudor
Editora: Intrínseca
Nº de páginas: 272
Ano: 2018
Encontre: Skoob
Avaliação: Muito bom
Na pequena cidade de Anderbury, em 1986, Eddie, Gav, HoppoMickey e Nicky compunham um grupo de amigos, que costumava se reunir para andar de bicicleta pelas ruas e pelo bosque, sempre em busca de alguma aventura que os ajudassem a sair da pacatez do lugar.

Após um terrível acidente durante uma feira na cidade relacionado ao Sr. Halloran, professor recém-chegado em Anderbury, a vida dos garotos muda para sempre, em especial a de Eddie. Quando Gav ganha uma caixa de gizes de cera coloridos em seu aniversário, as crianças resolvem criar um código com bonecos rabiscados com no asfalto para que pudessem se comunicar sem que ninguém entendesse. Um certo dia, porém, uma série de desenhos misteriosos os leva até um corpo desmembrado no bosque. Depois disso, nada volta a ser como antes.

Apesar da série de eventos, todos seguiram suas vidas e, trinta anos depois, apenas Eddie, Gav e Hoppo continuam em Anderbury. Eddie, que agora é professor, recebe uma proposta tentadora de um antigo amigo, justamente quando coisas muito estranhas voltam a acontecer. Todos eles, então, recebem uma carta com um boneco de palito desenhado e pedaço de giz. Assim, o medo e a desconfiança toma conta de cada um deles, em especial de Eddie, que é o mais afetado por tudo o que está acontecendo. Muitas verdades são reveladas e todos, aparentemente, têm algo a esconder.
O problema é que nenhum de nós chegou a um acordo sobre quando de fato tudo começou. Foi quando Gav Gordo ganhou o balde de giz de aniversário? Quando começamos a desenhar figuras de giz ou quando elas começaram a aparecer do nada? Foi aquele acidente terrível? Ou quando encontramos o primeiro cadáver? 
No início, O Homem de Giz pode parecer um pouco lento, porém, quando a estória começa a se desenvolver, você não consegue mais parar de ler. À medida em que a estória avança, inúmeras questões são levantadas, assim, o leitor quer desvendar os mistérios da trama e acaba "devorando" o livro.

A leitura flui muito bem e a narrativa instigante da autora contribui bastante para isso. Vale a pena ressaltar que, na minha opinião, ela se desenvolve lentamente no início, o que pode nos levar a pensar que todo o desenvolvimento da trama é assim, mas não se engane, logo ela "entra no ritmo certo". A estória é narrada em primeira pessoa a partir do ponto de vista do protagonista, Ed, e os capítulos se alternam entre 1986 e 2016. Esse salto de tempo entre um capítulo e outro, inclusive, ajudou a deixar a leitura ainda mais instigante.

Quanto à edição da Intrínseca, não tenho nem palavras para descrever como ficou linda: capa dura, corte das páginas colorido, primeira folha do início de cada capítulo preta, as ilustrações dos bonecos de giz... Tudo contribui para o clima tenso da estória. A diagramação também ficou muito boa, assim como a obra parece ter sido bem revisada.

Um assunto recorrente quando se fala em O Homem de Giz é que a estória tem suas semelhanças com uma das obras mais famosas de Stephen King: It. É preciso admitir que, sim, há várias semelhanças, porém, o enredo do qual estamos falando já foi explorado em inúmeras outras obras também, como a série Stranger Things, que possui referências às obras de King. Acredito que a autora possa, sim, ter se inspirado no rei do horror, afinal, estamos falando de Stephen King, que é inspiração para muitos escritores. Vale lembrar, também, que em O Homem de Giz não estamos falando em eventos sobrenaturais, mas do ser humano em sua forma mais brutal e perversa. A obra está longe de ser uma cópia de It.

Ao meu ver, ficaram algumas pontas soltas, mas não prejudicaram o entendimento da estória. Foi uma questão de falta de explicação acerca alguns detalhes. Fora o aspecto de horror e suspense da trama, é interessante também ver os conflitos internos dos personagens e fazer teorias acerca de suas verdadeiras intenções, em especial do narrador da obra, Eddie. Todos os personagens possuem segredos que, à medida em que a estória avança, vão sendo revelados e alguns são de chocar o leitor.  Fiquei muito surpreso com algumas das revelações, e com outras nem tanto. O último capítulo, inclusive, nos revela algo que é deixado no ar desde o início, mas que a gente acaba esquecendo durante a leitura e, quando finalmente é revelado, você fica tipo "meu Deus, como eu não havia lembrado disso?".

A trama repleta de mistérios e com personagens de caráter duvidoso é um prato cheio para quem gosta do gênero. A obra da C. J. Tudor também pode ser uma ótima opção para quem ainda não é adepto, mas quer começar a ler obras desse tipo, já que nela estão presentes todos os elementos característicos do gênero. O Homem de Giz cumpriu o que propôs.

17 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu já li dois livros da autora, só não li o último lançamento ainda, e sempre fico decepcionada com a falta de respostas característica dela no final, apesar de gostar das construções das histórias no geral. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Oi Gleydson!

    Menino eu sempre ouço falar muito bem desse livro e claro da autora também e preciso concordar com você as edições da intrínseca para os livros dessa autora sãos sempre muito maravilhosas mesmo. Eu não sou fã de thrillers e horror, eu sempre deixo passar kkkkkk, mas, fico feliz que mesmo com a ressalvas o livro tenha te entrgado o que você esperava.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  3. Li somente O Que Aconteceu Com Annie, da mesma autora. Eu amei a leitura dele, porém não quis ler O Homen de Giz porque várias pessoas que conheço detestaram e fiquei bem receosa. Mas acho ele lindíssimo e ainda pretendo dar uma chance.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  4. Já li elogios generosoa para com o livro, bem como li ríticas vorazes quanto as semelhanças com as obras do King, o que pra mim é um ponto positivo porque amo os livros do autor. Quero elr O HOmem de Giz o mais rápido possivel.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Gleydson como vai? Este livro esta na minha lista de futuras leituras. Que chato que houve pontas soltas, ainda bem que não prejudicou a leitura. Ainda sim pretendo lê-lo. Ótima resenha. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Gleydson.

    A cada resenha que leio sobre este livro, minha curiosidade aumenta, Quero ler O Homem de Giz o mais rápido possível porque tenho gostado muito do gênero thriller e a trama cheia de mistérios sempre chama atenção. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Gleydson tudo bem? Eu sempre leio resenhas sobre esse livro e uma amiga que está lendo ele esse mês, está gostando muitissimo da história. Eu não li tantas críticas sobre ele que fiquei sem vontade de lê-lo, só o fato de ter pontas soltas me deixa estressada, acredito que se um livro possui uma história única, precisa ter um final redondinho.

    Viviane Almeida
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  8. Olá! Este livro parece muito interessante! Estou tentando vencer as barreiras do medo para ler o gênero, mas ainda não consegui! srsr Mas sem dúvida que parece ser uma história bacana! De vez em quando algumas pontas ficam soltas mesmos e, quem sabe, não foi propósito do autor? srsr

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Nossa, que interessante saber dessa comparação com It do King. Acho que não tinha ouvido falar da semelhança, mas que bom saber que são enredos diferentes da sua forma. Conheço a autora por conta da Bienal que ela veio, mas ainda não li nada dela. Acho que começarei por esse exemplar. Adorei a resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Gleydson,
    Eu tenho esse ebook no meu kindle, mas ainda não o li!
    Estou em busca de um thriller de tirar o fôlego e fico aliviada que por mais que tenha influência do King, não tenha sobrenatural.
    beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu vi muitos comentários sobre esse livro e parece que a Intrínseca caprichou mesmo nessa edição. Confesso que não é uma leitura que eu faria, pois raramente leio suspense e terror não leio de jeito nenhum. Sou medrosa mesmo kkkk.
    Mas parece ser uma leitura interessante para quem curte o gênero e que bom que, apesar do início mais lento, a trama ganhou ritmo e se tornou envolvente. Uma pena que algumas pontas tenham ficado soltas, mas parece que no geral foi uma história bem desenvolvida.
    Adorei a resenha e só vou passar a dica por ser um estilo de leitura que realmente não funciona para mim.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Gleydison!
    A Intrínseca realmente arrasa nas edições! Eu não li esse livro, li O que aconteceu com Annie, do mesmo autor e gostei bastante. Mas já li que esse livro é o melhor dele até agora. Preciso ler com certeza!
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  13. Oi!
    É a primeira resenha que leio desse livro, fiquei intrigada com o mistério e já minha curiosidade bateu a porta kkk, adoro muito suspense e você tocou no nome muito conhecido King, li It e vou ler esse com certeza. A autora nunca tinha ouvido falar esse nome, mas vou procurar saber mais de suas obras, obrigado pela dica, parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  14. Já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas não me lembro de ter lido alguma resenha sobre ele antes. O enredo me chamou a atenção, fiquei curiosa para ler. E, que bom que você avisou que o início é meio lento. Assim quando pegar pra ler a obra não tem risco de eu me irritar muito e achar que o livro é todo assim.

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem ?
    Eu acho que é um livro com um tema bem envolvente e bem escrito. Eu fiquei sabendo dele porque a escola do meu filho mandou ler, só achei inadequado a idade dele e quando li, questionei a escola, eles recolheram e trocaram.
    A capa é linda e por si só já chama a atenção.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi, Gleydson.
    Esse foi o primeiro livro que li da autora e me apaixonei pela escrita dela. Não costumo ler King, então não enxerguei as referências, mas acho isso muito normal e até mesmo uma homenagem! Que bacana que ele seja tão inspirador!!!
    E posso te falar uma coisa meio louca?! Eu até curto umas pontas soltas porque fico um tempão inventando minhas próprias teorias para explicar as coisas! hahhaha
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  17. Eu fiquei tão feliz com as referências que encontrei nessa história, teve até de Doctor who hahahahaha. Mas admito que não curti tanto o desfecho =/ acho que alguns personagens mereciam mais destaque. Agora quero ler os outros livros dela

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir

© Acampamento da Leitura | 2020. Todos os direitos reservados.
Layout e Design por Gleydson | Imagens gráficas por Freepik.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo