16/12/2016

Resenha: Dia de Folga - John Boyne

Título: Dia de Folga
Autor(a): John Boyne
Editora: Companhia das Letras
Nº de páginas: 10
Ano: 2013
Encontre: Skoob
Avaliação: Muito bom

Oi pessoal, tudo bem por aí? Este é o primeiro post do projeto Natal Literário aqui do blog e eu estou muito feliz de dar início. Eu resolvi começar por Dia de Folga, por ser um conto curtinho e de autoria do incrível John Boyne

Em Dia de Folga, temos, mais uma vez, a Primeira Guerra Mundial como plano de fundo. Boyne nos dá a oportunidade de acompanhar o feriado de Natal do jovem soldado Hawke. Dessa vez, o autor não se aprofunda em nenhuma descrição física ou psicológica dos personagens (neste caso, os soldados), mas foca em descrever os pensamentos e ações do protagonista durante aquele feriado diferente, já que ele vivencia, pela primeira vez, o espírito natalino em campo de batalha. 
"Ele estava impaciente agora. Esse era o problema dos dias de folga. Eles eram tão raros, e você esperava tanto por eles, mas quando eles chegavam, seu corpo estava tão acostumado a se mover constantemente, que era quase impossível relaxar."
Assim como em suas outras obras, Boyne não poupa o leitor dos detalhes da desolação da vida nas trincheiras. Hawke é muito sarcástico em relação às coisas à sua volta, então, alguns de seus pensamentos chegam a ser engraçados.

Ele se recorda de seus natais anteriores, imagina como sua família deve estar naquele momento, se eles estão comemorando aquela data especial. Além disso, faz planos para um futuro retorno para casa, mesmo sem saber se isso chegará a acontecer.
"Sons a distancia, através dos campos, além das escadas e dos arames farpado, o gramado revolvido, a lama ensanguentada. Botas dançando nos estrados de madeira. O tiroteio começando, as armas disparando. O barulho dos homens quando caíam em suas linhas. Era Véspera de Natal e não havia folga para os ímpios."
Apesar de serem poucas páginas, o autor soube aproveitá-las. O final não é algo que te deixe de boca aberta, mas é satisfatório. Serve mais para refletir, sabe? Para encorajar os leitores a dar valor às pequenas coisas da vida. Não é uma narrativa natalina à qual estamos acostumados: é melancólica, é triste.,. Mas não há como relatar um feriado de Natal para os soldados que estavam à serviço na Primeira Guerra Mundial de outra forma, pois essa era a realidade, talvez bem mais pesada do que retrata o livro.

Eu vi muita gente criticando o livro pela linguagem um tanto suja, digamos assim. Mas é o tipo da coisa, você não pode esperar que soldados em plena guerra se tratem e ajam entre si com muita formalidade. Sem falar que a linguagem nem é tão suja assim, muita gente exagera, é preciso admitir. O modo de vida que estão levando não é fácil: é triste, é estressante, é desestimulador, é amedrontador. Quem vai pensar em cordialidade em tais momentos? Então, o autor quis retratar exatamente o que acontece ali e é de se esperar que ele utilize uma linguagem que combine com o enredo, não é mesmo?
"Bombas explodiam no céu sobre sua cabeça, um dos maiores shows de fogos no planeta. Melhor estar aqui do que numa floresta sozinho, ele pensou [...] É uma bela visão, ele pensou, enquanto o campo se acendia à sua frente como se fosse a entrada para outro mundo. A gente não vê esse tipo de coisa em casa."
Eu recomendo a leitura para todos aqueles que estejam a fim de uma leitura de Natal, curta e diferente das quais estamos acostumados. Beijos, até a próxima! 

36 comentários:

  1. Sério que criticaram a linguagem? Que povinho hipócrita. Adoro este conto e amo mais ainda porque traz personagens de O Pacifista nele e adoro isso. Adorei suas considerações sobre o conto, porque amo o Boyne e amo quando elogiam seu trabalho.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ivi, vi muita gente criticando a linguagem. Que bom que você gostou... até agora eu só tenho elogios para o Boyne. As obras que eu li dele são muito boas, espero nunca me decepcionar com ele. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  2. Oii.
    Nunca tinha lido sobre esse livro, mas ele me pareceu uma leitura fácil, calma, mas não entediante. E o bom dessas leituras é que, como você também falou, sempre tem algo a nos ensinar, e também a se analisar, algo que eu me divirto fazendo após a leitura.
    Dica anotada!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Catarina. Você acertou em cheio sobre a leitura! Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  3. Oieee
    Eu não conhecia esse livro, mas eu não curto muito ler contos, pois sempre sinto a necessidade de saber mais sobre a história.
    Acho que o pessoal tá se atentando muito a coisas pequenas, nunca vi ninguém criticar o autor por sua linguagem e sempre ouvi maravilhas sobres suas histórias.
    Vou anotar a dica aqui, quem sabe sou uma oportunidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade, Michelle. A gente sempre quer saber mais sobre a história quando o conto é bom. Obrigado pela visita, beijos!

      Excluir
  4. Fala sério! Nos dias de hoje em circunstancia nada trivial ainda tem gente criticando palavrão?! Puta que o pariu viu!
    Eu estou com esse livro aqui só não tive tempo de ler pois sempre tem um a frente, quando ler te marco pra gente prosear!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Marcia! Kkkkk muito divertida você. Me marque mesmo, adoro conversar e expor minhas opiniões sobre as obras que leio. Obrigado pela visita, beijos!

      Excluir
  5. Já disse que estava com inveja das suas leituras de Natal, né? Rs... Pois bem, não sabia que era um conto tão curtinho e descobri que tenho no Kindle, então vou ler! Assim mato um pouco da vontade de leituras natalinas. Acho que se a linguagem combina com o enredo, é adequada e pronto. Com certeza deve ser um Natal bem diferente, mal vejo a hora de conferir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ju! Disse sim, eu lembro haha. É super curtinho, dá vontade de ler mais sobre. Se você resenhá-lo, não esquece de me avisar, tá? Quero muito ler suas impressões sobre o conto. Obrigado pelo carinho, beijão!

      Excluir
  6. Olá!
    Com tantas coisas para serem avaliadas em um livro, as pessoas se preocupam com o uso de palavas "sujas"? Às vezes não entendo essas pessoas. Infelizmente a realidade de soldados em combate não é tão agradável assim.
    Bem, mas quanto ao livro, eu não o conhecia e achei bem atraente a história. É um conto com a realidade bem diferente de como o personagem gostaria de estar naquele momento.
    Anotada a sua dica aqui.
    Bjs.

    www.salaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Taisa. Tem tanta coisa melhor para se avaliar em uma obra incrível como essa. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  7. Oiee Gleydson ^^
    Gente, eu não sabia da existência desse conto *-* ainda não li nada do autor, mas tenho muita curiosidade de ler "O menino do pijama listrado", pois vi o filme algumas vezes e gostei, e quero ver se o livro é ainda melhor. Gostei de saber sobre esse conto, principalmente porque, por mais que sejam bem tristes, eu gosto de histórias que se passam na 1ª e 2ª Guerras Mundiais.
    MilkMilks ♥
    Milkshake de Palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Nossa, pois corre para ler que aposto que você vai adorar! Se você gostou do filme, vai adorar o livro. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  8. Olá. Eu acompanhei a proposta de seu projeto e fui uma das que deu boa sorte porque eu achei a proposta ousada mas perfeita. Fico muito feliz de ver você conseguindo ler os livros e contando para nos.

    Não conhecia esse conto. Realmente tem.uma proposta bem diferente se tratando de livro de natal e talvez por ter a guerra como plano de fundo eu acho que não quero ler. Vou aguardar as próximas dicas. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Sim, você foi *-* E eu agradeço bastante, pois o projeto está dando super certo mesmo. Obrigado pelo carinho, tá? Beijão!

      Excluir
  9. Helloo, tudo numa nice?!
    Acredita que eu nunca li nada do John. Pois é. Sou anormal. Mas ele trata de um tema que eu gosto muito e até mesmo escrevi que é a Primeira Guerra Mundial. Quando vi esse conto grátis na Amazon decidi comprar para dar uma chance a escrita do autor. Mas tá no meu tablet e eu estou protelando. Enfim, a sua resenha me estimulou a querer ler a obra. E quanto a linguagem: as pessoas precisam perceber que certos cenários e circunstâncias pedem um tipo de linguagem específica.
    Ótima resenha.
    Beijin...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Nossa, não sabe o que você está perdendo. Pelo menos você já adquiriu o conto... já foi dado o primeiro passo, não é? Você está super certa em relação à linguagem e as situações. Obrigado pela visita, beijos!

      Excluir
  10. Adorei a resenha! John Boyne é realmente um ótimo escritor e eu o adoro desde que li "O menino do pijama listrado". Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Ele é um ótimo escritor mesmo. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  11. Olá, parabéns pela resenha, gostei que apesar de ser curto, o livro consegue passar sua mensagem. Concordo que não podemos esperar uma linguagem melhor de soldados em guerra, mas não sei se me acostumaria e conseguiria acompanhar os diálogos.
    Gosto de livros com finais satisfatórios, mesmo que eles não surpreendam, afinal, nada melhor que um final bem escrito do que qualquer final que nos decepcione.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Nada melhor que um final bem escrito do que qualquer final que nos decepcione" super concordo como você. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  12. Oi!
    Já ouvi falar desse livro - ou devo falar conto? - e morro de curiosidade de ler. Achei muito legal que essa estória é diferente e não aborda a questão psicológica, como Boyne faz. Mesmo o final não deixando de boca aberta, acho que é uma leitura que vale a pena ser feita.
    Também acho que a linguagem "suja" é essencial nessa obras. Soldados, em plena guerra, não serão polidos, né não?
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabrielle! Pode falar como você quiser haha, o que importa é que é uma obra maravilhosa, não é mesmo? "Soldados, em plena guerra, não serão polidos, né não?" Exatamente!!! Obrigado pelo carinho, beijão!

      Excluir
  13. Olá!
    Sou louca para ler algo do John Boyne, sabe quando você sente que vai gostar de qualquer coisa do autor? Então! Preciso ler pra conferir, mas concordo com você que não dá para esperar cordialidade no meio de uma guerra. Quero muito ler o conto!
    Só confesso que não curti muito a capa...
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luana! Sim, eu sei exatamente como você se sente. Eu também não curti muito a capa, mas fazer o quê, não é? Haha. Obrigado pelo carinho, beijão!

      Excluir
  14. Gosto muito dos livros do boyne pois sempre se passam na época de guerra que é algo que eu sou bastante curiosa e gosto bastante de ler sobre, só li um livro dele até agora que é o menino do pijama listrado mas pretendo ler todos e acabei de incluir esse conto na lista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sou bem curioso em relação a obras desse tipo. Obrigado pela visita, Gabriela. Beijos!

      Excluir
  15. Não conhecia o livro, mas gostei bastante da temática. Toda vez que pensamos no Natal, pensamos em presente, família, alegria. Não tinha encontrado nenhum livro que fugisse tanto dessa visão natalina que temos.
    É de se pensar, realmente, em como os soldados passaram sua véspera de natal tão longe de casa, num lugar onde a cordialidade não existia e onde a morte era real.
    Já quero ler esse livro.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Camila! Foge bastante do conceito de Natal que estamos acostumados, não é? Concordo muito contigo. Obrigado pela visita, abraços!

      Excluir
  16. Olá!

    Eu não conhecia esse conto e, infelizmente, ainda não li nada do Boyne, mas só ouço elogios. Também acho besteira reclamarem de uma linguagem suja num contexto de segunda guerra mundial. Pelo amor de Deus, né? Enfim, gostei muito de conferir seus comentários sobre o enredo e fico curiosa para conferir-lo de perto. Obrigada pela dica.

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ingrid! Que pena que você não leu nada do autor, ele é maravilhoso. Que bom que concorda comigo, obrigado pelo carinho. Beijão!

      Excluir
  17. Oi, tudo bem?
    Sabe que sou mega suspeita de falar em se tratando de contos, ainda mais que retratem a guerra, achei a trama muito cativante e curiosa, com toda certeza já adicionei na minha lista e pretendo ler o quanto antes. Adorei o enredo central e sua resenha está ótima!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kétrin, sua linda! É um tema muito cativante mesmo, apesar de triste. Espero que goste do conto tanto quanto eu. Obrigado pelo carinho, beijão!

      Excluir
  18. Oi, tudo bem?
    Nunca li nada do John e achei bem interessante ele retratar um conto de natal no perído de guerra, e mais legal ainda ser por soldados. Por ser um conto tão pequeno eu darei uma lida nele hoje mesmo.

    ResponderExcluir
  19. Olá! Nunca li nada do autor, ainda, mas já ouvi falar desse conto e até o adquiri na Amazon. Mas confesso que não tinha me animado a ler, agora me arrependo. Parece ser uma ótima leitura, até para conhecer um pouco do talento desse autor tão famoso por conseguir trazer à tona o drama de quem vive a guerra. Apesar de o final não ter deixado você de boca aberta, saber que é satisfatório me animou. Um conto só é marcante quanto seu desfecho nos deixa pensando nele.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir

© Acampamento da Leitura | 2014-2017. Todos os direitos reservados.
Layout por Gleydson.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo